Construção civil lidera a geração de vagas formais no País - LAR PARA TODOS
Construção civil lidera a geração de vagas formais no País

Construção civil lidera a geração de vagas formais no País

Apesar da crise mundial que vivemos os números de geração de empregos na Construção civil lidera a geração de vagas formais no País, A construção civil gerou 36.296 novas vagas com carteira assinada em outubro no País, resultado da diferença de 154.655 admissões e 118.359 demissões.

Além de tudo isso, segundo os dados do Novo Caged, o setor registrou o melhor resultado do mercado de trabalho dos últimos 7 anos, inclusive no ano de 2020 superou até mesmo a agropecuária, que, no mesmo período, contabilizou 102.911 novos empregos, os dados mostram que para o período de janeiro a outubro dos últimos 7 anos, no ano de 2020 foi a maior geração de empregos formais chegando a 207.787.

Os dados foram divulgados nesta última quinta feira (25/11/2020) pela secretaria Especial De Previdência e Trabalho, do Ministério da Economia, e indicam que pelo quinto mês a construção civil registrou resultados positivos em seu mercado de trabalho formal.

Para a economista do Banco de Dados da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) e assessora econômica do Sinduscon-MG, Ieda Vasconcelos, a construção segue demonstrando o dinamismo de suas atividades e a sua importância para a recuperação da economia nacional.

De junho a outubro, o setor gerou 190.860 novos empregos, o que contribuiu para a total recuperação dos postos de trabalho perdidos de março a maio. Em outubro todos os segmentos do setor apresentaram resultados positivos, o que demonstra o dinamismo mais generalizado das atividades:

Construção de edifícios gerou 11.676 novos postos de trabalho

Obras de infraestrutura 12.606

Serviços especializados para a Construção 12.014

Vasconcelos aponta que a Sondagem da Indústria da Construção de outubro, realizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), com o apoio da CBIC, já sinalizava que o setor estava mantendo sua trajetória de crescimento. Pelo terceiro mês consecutivo o índice do nível de atividade ficou superior a 50 pontos o que demonstra o aquecimento do setor. Certamente essa alta de atividade vem estimulando o aumento do emprego conforme confirmou os resultados do novo Caged.

“É importante ressaltar que mesmo diante de dificuldades, como o desabastecimento de insumos e aumento acentuado em seus custos, o setor segue produzindo e, nos últimos cinco meses, o número de admitidos foi superior ao número de demitidos. Um dos fatores que têm contribuído especialmente com o incremento das atividades da construção é o desempenho do mercado imobiliário nacional. A baixa taxa de juros tem proporcionado um incremento expressivo no financiamento imobiliário e contribuído para dinamizar as atividades do setor”, destaca Vasconcelos.

VEJA TAMBÉM

MAIS
ARTIGOS